• Nelson Moleiro

Sabores mediterrânicos Parte 2 , o Gin!


gin mare

A semana passada dediquei-me aos vinhos, na sua combinação gastronómica com sabores e ingredientes da época, de nervo mediterrânico, o manjericão e o tomate. Hoje é a vez do gin, o tal alcoólico deste blog, a ter a sua hipótese de dançar uma modinha. Bora lá arranjar aqui uns gins que harmonizem com estas duas vedetas? Surgem-me logo à ideia 2 marcas de gin, muito conhecidas no nosso país, e residentes habituais na minha garrafeira. Falo do Nordés e do Gin Mare. Se procuro um gin para realçar sabores mediterrânicos, estas são na minha óptica, e dentro do meu universo de conhecimentos, as duas melhores escolhas. E que escolheriam vocês? Eu inclinei-me para o Gin Mare, mas garanto-vos que qualquer um, brilha nesta combinação.

Gin Mare Gin Nordes Manjericão

Gin Mare Gin Nordes Manjericão

O Gin Mare

Produzido ali do outro lado da Faixa de Gaza, na Costa Dourada em Espanha, usa no seu destilado várias plantas e botânicos do nosso habitat. Além dos ingredientes mais generalizados num gin, como o zimbro, casca de laranja amarga, casca de limão, cardamomo ou mesmo as sementes de coentros, são adicionados as tais plantas diferenciadoras no mediterrâneo, o alecrim, tomilho, manjericão e azeitona (variedade Arbequina). Estes botânicos sentem-se de forma pronunciada no aroma do Gin Mare, e a sua conjugação com os elementos cítricos, transmite a leveza e personalidade única a este xiripiti. É um gin aromático e diferente, e que normalmente agrada ao palato da tugolândia. Um ramo de alecrim, manjericão, tomilho, ou mesmo hortelã, em conjunto com uma tónica mediterrânica (para dar um toque seco), realça e engrandece este gin. Se és purista e não gostas de "relva" a boiar no teu gin, então bota para lá 3 ou 4 berlindes de zimbro e bebe o teu gin sem o cenário. Mas acreditem! As nossas ervas, fresquinhas, elevam e vão buscar todas as virtudes destes gins.

O Gin Nordés

É um gin proveniente da Galiza, destilado com 15 ervas da região (louro, eucalipto, salicórnia, etc...), mas também com uma uva bem nossa conhecida, a uva alvarinho. É esta uva típica da Península Ibérica, que, juntamente com algas da costa Atlântica, dão carácter próprio ao gin Nordés. Daí dizer-se que este é o Gin Atlântico, inclusivé com caracterização presente no seu rótulo. A combinação de botânicos regionais, algas, e uva alvarinho, deixa aquele sabor aromático e fresco de ervas na boca, surpreendendo quem o prova pela primeira vez. Harmonizar este gin segue uma lógica em tudo idêntica ao Gin Mare, uma vez que possuem um ADN semelhante. Aqui, a sugestão que apresento, no sentido de o diferenciar, será servir com uva branca laminada em carpaccio e/ou louro.

E então porque escolhi o Gin Mare? Porque simplesmente me apeteceu, e estava a fim dele! Tanto Nordés, como Gin Mare, são divinais com os elementos escolhidos, manjericão e tomate cherry. Podem servir com Tónica Fever Tree Mediterranean (se preferirem mais seco) ou uma tónica Indian. O tomate cherry é a variedade mais saborosa e com tamanho ideal para servir com gin.

Experimentem, apaixonem-se, desiludam-se, iludam-se! O que interessa é que vá ao encontro do vosso gostos.

Apresento em baixo algumas imagens da minha sugestão!

Inté!

gin mare majericão tomate cherry

gin mare majericão

Gin Mare manjericão Tomate Cherry

Gin Mare Manjericão

#Nordes #ginmare #manjericão #tomate #tomilho #alecrim #fevertree

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo