• Nelson Moleiro

Muti Albariño 2016


Muti Albariño 2016

O Muti Albariño foi concebido como uma homenagem à mãe de Patrick Mata, Christiane, Patrick Mata é um dos fundadores da Olé & Obrigado, importador de vinhos da Península Ibérica nos Estados unidos, que oferece vinhos distintos de Espanha e Portugal aos yankees. Tanto ele, como o seu irmão Vico, falavam sempre em alemão em casa. “Muti” significa “mãe” em alemão. É feito com supervisão de Rodrigo Méndez das Bodegas Forjas del Salnés em conjunto com Alberto Orte da Compania de Vinos Atlânticos, sócio e amigo de longa data de Patrick, É feito de uvas provenientes de três locais diferentes, uma vinha foi plantada em 1912, solo granítico, localizada na localidade de Palina, a apenas 30 metros do Oceano Atlântico. As outras vinhas foram plantadas em 1972, localizadas nas localidades de Meaño e Dena.


Muti Albariño 2016 é por dizer uma referência que pretende repercutir o classicismo do Vale do Salnés, o potencial das Rías Baixas, o trinómio bandeira da salinidade, mineralidade e acidez, que se sobrepõe à fruta, essa sim elegante e regra geral em segundo plano.


Com um nariz muito integrado, mineral, nada expressivo, notas frutadas cítricas maduras presentes e q.b. bem lá atrás. Na boca, engloba no excelente volume e presença alguma cremosidade, salino e com acidez média. Tem um final de boca longevo, agradável e harmonioso.


Não é certamente o melhor Albariño das Rías Baixas, ou melhor dizendo, existem melhores relações preço-qualidade, mas gostei muito de o beber nesta fase, já um vinho gordo e adulto, e que se vê que foi no sentindo ascendente com o tempo de garrafa. Trouxe-o para mostrar uma vez mais a riqueza da região na elaboração dos monocasta da casta rainha.


Castas: Albariño


Região: Rías Baixas, Galiza


Teor Alcoólico: 13% Vol


PVP: +/- 22€





0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2016-2020 Táscuela

 

Leiria, Portugal - tascuela@gmail.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle