O Vale do Douro - Quinta do Portal

22.11.2016

 

Normalmente não gosto muito de autoestradas. É uma verdadeira seca conduzir naquele ambiente monótono e automatizado, por assim dizer. Mas se existe coisa que adoro, é entrar na A1 em Leiria e o destino encarregar-me de escolher o sentido Porto, rumo ao norte. Adoro porque é sinal, na maioria das vezes, de aventura de comes e bebes, e quantos mais quilómetros vou palmilhando, mais me entusiasmo e salivo, imaginando as iguarias com que vou "encher a mula", e os vinhos que me vão dar a conhecer e beber. Tenho escolhido deslocar-me frequentemente ao Vale do Douro, por variadas razões, e desta vez o motivo foi um baptizado perto da fronteira com esta região demarcada de vinhos, património da Humanidade. Sendo assim, no último fim-de-semana de Outubro, desloquei-me à zona de Castro d'Aire, mais precisamente a Parada de Ester, a um baptizado dos familiares da nossa amiga Sílvia Correia, com banquete no mais famoso restaurante da região, o Bem-Estar. Já é um local conhecido aqui do blog, que consideramos praticamente da casa, tendo sido tema de uma das minhas primeiras publicações, e meus caros, aquela malta não pára de nos surpreender. Uma vez mais, tratados que nem lords, uma vénia à família Correia. Quanto ao banquete, epá desloquem-se o que tiveram que se deslocar para lá irem...até te lambes!

 Quinta do Portal

 

 

 

Cumpridas as festividades, como é que tu rentabilizas o resto do fim-de-semana? Com o Douro ali tão perto, nada melhor que optar pelo que mais gostas, e neste caso o Enoturismo está no topo da lista. Tenho não uma, mas sim várias mãos cheias de locais em carteira para visitar no Vale do Douro, e desta vez escolhi ir visitar a Quinta do Portal no concelho de Sabrosa, conhecer a sua produção e oferta de vinhos in loco, e a adega concebida pelo arquitecto principiante, e ainda pouco conhecido, de nome Álvaro Siza Vieira. Depois de uma vitela assada bem composta e robusta da dona Helena, lá rumámos a Celeirós do Douro para a visita.

Inserida na Quinta do Portal, está a distinta Casa das Pipas, turismo de habitação de eleição na região, e que me caiu no goto para um dia mais tarde conhecer melhor. A disponibilidade de tempo para esta visita apenas permitia conhecer a adega, fazer a prova dos vinhos e aproveitar o sol de Outono para percorrer os vales e margens do Douro, entre Sabrosa, Pinhão e Régua.

É uma adega recente e muito moderna, onde a arquitectura e engenharia de ponta estão de mãos dadas com a riqueza e tradição regional duriense, albergando dezenas ou centenas de anos de história e saberes na produção de vinhos do Douro. Além da imponência de todo o edifício, é muito interessante ver todos aqueles cascos e tonéis, e assistir a toda a explicação dada sobre os estágios dos vinhos. Uma coisa é lermos e ouvirmos, outra é estarmos fisicamente no local onde tudo se processa, e sentir todo o lado místico, histórico, cultural, sensorial e educacional que uma visita destas proporciona. Recomendo a quem nunca o fez, visitar a Quinta do Portal, ou uma das dezenas de Quintas presentes no Alto Douro Vinhateiro, é uma experiência muito enriquecedora.

 

Galeria de Fotos

 

Prova de Vinhos

 

A prova de vinhos base consiste na escolha de 2 vinhos do portefólio da Quinta do Portal. A escolha não foi fácil, devido à vasta oferta de vinhos disponíveis para prova. Contudo, optei por beber um vinho de mesa e um vinho generoso. Como vinho de mesa, escolhi o Quinta do Portal Grande Reserva 2011 Tinto, e como generoso, o Quinta do Portal Moscatel Reserva 2004. Em terras de moscatel, não poderia deixar de ser escolha, sendo um dos produtos de eleição e de maior reconhecimento desta Quinta.

 

Quinta do Portal Grande Reserva 2011 Tinto

 

 

   

Castas: Touriga Nacional (60%), Tinta Roriz (30%) e Touriga Franca (10%)

 

Enologia: Maceração em cubas de inox com estágio de 14 meses em carvalho francês novo.

 

Notas de Prova:

Um vinho que arrecadou bastantes prémios, tanto a nível nacional como internacional, entre eles, o de melhor vinho do ano no Concurso Vinhos de Portugal 2016.

Num ano de 2011 muito trabalhoso ao nível das vinhas, com altos e baixos, conseguiu-se no final uma excelente colheita no Douro, e este Grande Reserva é o expoente máximo, e exemplo real desta afirmação. É um vinho sedutor, de cor bem forte e escura, replecto de aromas a frutos maduros como cerejas e amoras. Na boca, taninos bem estruturados, em simbiose plena com as notas amadeiradas do carvalho francês. Considero um vinho topo de gama bebido jovem, mas julgo que ainda vai melhorar com os anos em garrafa, se bem conservado. Um óptimo vinho com um rácio custo/benefício muito interessante. Custo aproximadamente de 25€.

 

Quinta do Portal Moscatel Reserva 2004

 

 

 

Castas: Moscatel Galego (100%)

 

Enologia: Fermentação em cubas de inox, e estágio mínimo de 7 anos em cascos velhos de carvalho.

 

Notas de Prova:

Primeiro deixem-me referir um detalhe. Bebi este moscatel, sabendo que estava a beber moscatel, porque às cegas, poderia perfeitamente achar que estaria a beber um Porto Tawny de 10 ou 20 anos. De cor aloirado-dourado, este moscatel possui aromas de frutos ácidos, tal como maçã, com toque de caramelo e frutos secos. Na boca revela e demonstra a sua verdadeira identidade, onde se denota a complexidade da madeira, sabores a frutos secos tostados, muito meloso. Dar-lhe-ia o nome de Moscatel Tawny. Melhor vinho moscatel do douro que já provei até hoje, óptima surpresa.

 

Como gosto de experiências e de improváveis, acabei por trazer comigo também dois vinhos brancos Quinta do Portal, um Moscatel Galego 2015, e um Verdelho-Sauvignon Blanc 2015. O Moscatel Galego 2015 já o abri, e dentro deste monocasta achei muito positivo, o Verdelho-Sauvignon Blanc, aguardo para o provar, mas é onde reside a minha maior expectativa.

 

 

Amo esta região vinícola, por tudo o que a constitui, os seus vinhos, os seus vales, a sua história, as suas gentes, e as paisagens deslumbrantes com vinhas intermináveis em socalcos bem protegidos pelo majestoso Rio Douro. Nada melhor que após uma prova de vinhos de excelência, percorrer aqueles concelhos, parar em miradouros a apreciar locais únicos, olhar para aquelas encostas ao longe e imaginar, era ali que iniciava e plantava a minha primeira vinha, era ali que constituía a minha primeira Quinta. A pouco e pouco vou querer conhecer mais e mais, e assim tem sido, e assim continuará a ser.

 

Um bem haja, um até já, e um brinde a todos!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

DICAS DE VINHOS BOA COMPRA!

#1 

Muxagat Os Xistos Altos Rabigato 2014

Douro (Branco)

 

#2

Primus 2015

Dão (Branco)

 

#3

Quinta da Pellada Estágio Prolongado 2011

Dão (Tinto)

#4

Dão A Centenária 2015

Dão (Tinto)

#5

Luís Pato Vinhas Velhas 2017

Beira Atlântico (Branco)

#6

Em Cru 2017

Dão (Branco)

#7

António Madeira Colheita 2016

Dão (Tinto)

#8

Argau Cuvée Bruto

Beira Atlântico (Espumante)

#9

Quinta da Serradinha Encruzado e Arinto 2016

Encostas d'Aire / Lisboa (Branco)

#10

Conciso 2014

Dão (Branco)

Actualizado em Junho de 2019

ARTIGOS RECENTES

Também vais gostar

04.11.2019

31.10.2019

Please reload

Please reload

© 2016-2019 Táscuela

 

Leiria, Portugal - tascuela@gmail.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle