Tarde de Verão Parte I - Espumante - Cuvée Pauline Vouvray AOC Demi-Sec

15.09.2017

 

Ainda da minha passagem pelo Vale do Loire este ano, fiquei fascinado com o potencial e qualidade dos vinhos brancos desta região. A uva Chenin Blanc neste seu terroir verdadeiramente genuíno consegue produzir vinhos que me seduzem tanto, sejam eles espumantes, vinhos secos ou de sobremesa. Tenho notado desta minha experiência curta e juvenil alguns pontos transversais a todos estes vinhos, a começar pelo excelente perfil aromático no nariz, de índole floral e frutada, e a terminar na sua mineralidade e acidez marcantes.

 

Vouvray é uma das muitas sub-regiões demarcadas do Vale do Loire, a leste de Tours, num sistema complexo de sistematização de zonas vinícolas e terroirs. Nisto os Franceses deixam-nos a anos-luz, terroir é algo que não se fala muito em Portugal, mas que penso que se tornará importantíssimo no futuro. Por cá sempre foi mais a cultura do alquimista, gostamos de ser considerados os masters do blend.

 

O que venho mostrar é simplesmente um destaque e gosto pessoal, uma visão descomprometida e grosso modo ignorante de uma região e panóplia de vinhos tão vasta. Aconselho vivamente qualquer apreciador de vinho branco visitar esta região francesa, ou pelo menos tomar contacto com alguns dos vinhos lá produzidos. A oferta é enorme, a qualidade apreciável, e os preços muito em conta quando comparados com outras realidades.

 

Mas voltando atrás, Tarde de Verão Parte I.

 

Este espumante foi a escolha para iniciar um almoço em tarde de verão, uma boa opção para harmonização com entradas ligeiras ou como simples aperitivo em confraternização entre amigos e familiares. A escolha pela versão Demi-Sec (normalmente entre 15 a 25 gramas de açúcar residual por litro) deve-se à heterogeneidade das pessoas envolvidas, ninguém gosta de espumantes brutos excepto eu. Não há melhor que um bom espumante na sua versão bruto, mas pronto, sirvam-se os convidados!

 

 

 

Cuvée Pauline Vouvray AOC Demi-Sec

 

Um espumante elaborado pelo método tradicional champenoise, 100% de uva Chenin Blanc, que deslumbra pela sua cor dourada e evidência de bolha fina e persistente. Aromas complexos, alguma nota frutada de maçã verde e pêssego, presença de algum floral que não decifrei. O mais surpreendente é a percepção a noz, amêndoas e mesmo mel. Na boca transmite grande frescura, aquele carácter mineral e acidez vibrante, cremoso e com final de boca persistente de bom volume. As sensações no olfacto e palato a cada gole elevam o prazer e a atenção sobre este bom exemplar.

 

 

   

 

Como se diz por lá, Santé! Venha o próximo vinho.

 

Please reload

DICAS DE VINHOS BOA COMPRA!

#1 

Muxagat Os Xistos Altos Rabigato 2014

Douro (Branco)

 

#2

Primus 2015

Dão (Branco)

 

#3

Quinta da Pellada Estágio Prolongado 2011

Dão (Tinto)

#4

Dão A Centenária 2015

Dão (Tinto)

#5

Luís Pato Vinhas Velhas 2017

Beira Atlântico (Branco)

#6

Em Cru 2017

Dão (Branco)

#7

António Madeira Colheita 2016

Dão (Tinto)

#8

Argau Cuvée Bruto

Beira Atlântico (Espumante)

#9

Quinta da Serradinha Encruzado e Arinto 2016

Encostas d'Aire / Lisboa (Branco)

#10

Conciso 2014

Dão (Branco)

Actualizado em Junho de 2019

ARTIGOS RECENTES

Também vais gostar

04.11.2019

31.10.2019

Please reload

Please reload

© 2016-2019 Táscuela

 

Leiria, Portugal - tascuela@gmail.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle