Quinta do Carvalhão Torto Jaen e Alfrocheiro Tinto 2005

10.04.2018

 

 

Quando falamos de tradição e respeito às heranças no que toca a vinhos, algumas regiões e produtores surgem à cabeça e destacam-se. A Quinta do Carvalhão Torto é um dos produtores históricos do Dão, que usa castas de uvas típicas regionais, a solo e em lotes, com fermentações e estágios tradicionais, filosofia unoaked, de forma a alvejar a obtenção de vinhos que primem pela elegância, com ADN de longevidade e complexidade, onde perpetue a frescura mesmo com longos anos de guarda. Conseguimos provar após uma década, ou mesmos mais, vinhos genuínos que nos sabem a vinho. E eu sou daqueles que defende o estigma do Dão Clássico como elemento diferenciador perante o universo vínico nacional. São estes pressupostos de produção de vinhos com perfil clássico que permitem colocar as melhores referências desta região (historicamente menosprezada) em altos patamares qualitativos, ímpares e singulares.

 

Quinta do Carvalhão Torto Jaen e Alfrocheiro Tinto 2005

 

 

Quantos vinhos com esta idade conseguirão manter esta elegância, frescura e consistência? E se acima de tudo falamos de um vinho que custa 6 ou 7€? Quantos? Pouquíssimos. Um vinho que em pleno ano de 2018 me oferece pleno prazer em bebê-lo, sim beber, e não provar. Aroma ainda bem vincado e jovial da fruta, algum pinhal. Carácter vinoso e terroso em boca, complexidade da fruta vermelha quanto baste aliada a uma mineralidade granítica que lhe confere boa estrutura. Tanino sedoso, a permitir um excelente prolongamento de boca. Considero, na esfera pessoal, um vinho muito gastronómico.

 

Penso, ou melhor, afirmo, que qualquer pessoa que pretenda identificar-se e apaixonar-se com a região vinícola do Dão, tem o dever e obrigação de provar um vinho como este, com estas características. O Quinta do Carvalhão Torto Jaen e Alfrocheiro Tinto 2005 é um marco da genuinidade e expressão plena de terroir. Por mais descritores e palavras bonitas que se possam arranjar e dizer, este é um vinho portentoso que permite concluir que afinal é possível produzirmos grandes vinhos em Portugal. Basta seguir e respeitar a nossa génese e herança, castas autóctones meus caros, Jaen e Alfrocheiro, produção e vinificação sem maquilhagem e internacionalismos. Nós queremos vinho a saber a Portugal, e o Dão é do mais tuga que podemos ter.

 

Tenho um grande problema de momento com este vinho, onde vou arranjar mais???

 

Castas: Jaen e Alfrocheiro

 

Região: Dão

 

Teor Alcoólico: 12,5% Vol

 

PVP: +/- 7€

 

 

 

 

 

Please reload

DICAS DE VINHOS BOA COMPRA!

#1 

Muxagat Os Xistos Altos Rabigato 2014

Douro (Branco)

 

#2

Primus 2015

Dão (Branco)

 

#3

Quinta da Pellada Estágio Prolongado 2011

Dão (Tinto)

#4

Dão A Centenária 2015

Dão (Tinto)

#5

Luís Pato Vinhas Velhas 2017

Beira Atlântico (Branco)

#6

Em Cru 2017

Dão (Branco)

#7

António Madeira Colheita 2016

Dão (Tinto)

#8

Argau Cuvée Bruto

Beira Atlântico (Espumante)

#9

Quinta da Serradinha Encruzado e Arinto 2016

Encostas d'Aire / Lisboa (Branco)

#10

Conciso 2014

Dão (Branco)

Actualizado em Junho de 2019

ARTIGOS RECENTES

Também vais gostar

04.11.2019

31.10.2019

Please reload

Please reload

© 2016-2019 Táscuela

 

Leiria, Portugal - tascuela@gmail.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle